28/08/2008

o que se quer

Saber-se. Esse é o mantra. Tudo bem se nem tudo é ótimo ou prateado, mas perceber a tempo é a regra do bem.

O passo seguinte é permitir que os outros te saibam também, porque não tem problema, não faz mal, todo mundo passa pelos mesmos pontos.

E seguindo, quando se sabe e se permite, se tem tudo.

Ah, como é bom saber o que se quer!!!!!

27/08/2008

te amo

Eu te perdôo por não me perdoar. Entendo porque dificilmente sou entendida. Percebo que você jamais perceberá o quanto te amo. Então, me deixa pra lá. Faz com que eu espere os dias na esperança de em algum momento perder tudo, e talvez encontrar a única coisa que vale a pena. Porque se eu me perder, sei que te acho. Saltará pelas minhas lágrimas o teu sorriso. Bom, eu vou. Tô saindo pra depois tentar chegar, retornar o caminho, fazer a volta. Se puder fique observando. É, por ali mesmo, pela porta que rangeu até agora todas as vezes que se fechou entre nós. Faz assim, não que eu queira te ensinar, mas tente fechá-la de vez, só assim, quem sabe, abrirá o mundo pra nós dois.

25/08/2008

pau no c + u do jaburu

Pensa bem, ia ser muito chato saber tudo que ainda não aconteceu. Pior ainda seria saber disso tudo e também do tempo de cada coisa. É como poder ser invisível, deve ser gostoso só um pouquinho. Porque do que adianta você pousar de invisível? Ninguém vê... Melhor é ver e ser visto, melhor é deixar de ser guerreiro só debaixo das cobertas. Corra pra coragem de viver cada experiência na hora que ela tem que se prestar. Bom é ficar hoje na agonia do que sempre na mesmice.
Vale muito a pena sofrer de amor, de raiva, de saco cheio. Fazer o que, se é preciso frustrar-se, ver os injustos e ter que esperar. Antes assim do que ser um deles. É que no final não tem segredo, ou tem? Mas se tiver, a pista está em baixo dos travesseiros de quem dorme bem. E aí não tem milagre. Basta comemorar.

19/08/2008

de 2003 para 2008






Falta menos de um mês para os 5 anos. Passou rápido demais. Meus pequenos tão ficando grandes, independentes e aprendendo a gostosura de ser livre. A responsabilidade parece que dobra, porque não é fácil ensinar o despreendimento, dar corda, incentivar a liberdade dos atos. Eu fico tensa, esperando as dicas da vida, buscando ser eu mesma cada dia um pouco melhor (o que é lasca!), pra poder doar exemplo em vez de palavras. Sigo tentando, mas acima de tudo sigo amando, cada dia mais também, e isso é bem mais fácil.

5 anos... tempo de troca, de conversas longas, de perguntas curtas, de grandes descobertas. Eu sou eternamente grata por isso, por eles e pela graça de tê-los.

Saúde é o que peço. Pra eles sempre, e pra mim também. Para poder acompanhá-los por longa data.

18/08/2008

das coisas simples


Ah eu adoro almoçar num lugar gostoso e conversar. Adoro companhia. Adoro trocar energia boa, dar abraço apertado, matar saudade. Adoro rir e pensar na vida. Adoro receber dicas, conselhos e verdades. Adoro também poder dizer, e perceber estar sendo ouvida. Adoro contar segredos, dividir medos, falar dos filhos. Adoro sair de um assunto e ir pro outro, saber das coisas, contar os fatos. Adoro saltar deste pra outro ponto, lembrar o ontem, imaginar o futuro. Adoro pedir a conta, esperar o café clarinho, rir porque ele não chegou, e brindar do mesmo jeito. Adoro saber que temos mais amigos em comum e cada vez mais outros tudos em comum. Adoro adorar tudo isso. É por isso que eu adoro a amizade. E é por isso esse texto de hoje, que eu dedico a ela.

Adoro você bicho Nica.

14/08/2008

gripe em filhos, você ainda vai passar por isso

Tosse, tosse, tosse. Febre, 38.6, 37.9, 38.4. Primeiro um, aí puxa a fila e as noites interrompidas, geralmente três delas também. Estamos indo pra terceira da primeira, segunda da segunda e primeira do terceiro. Hum, deixa eu ver.. bom foi-se a semana. Nariz que escorre, pequenos incomodados. Ô dó! Infecção dá febre, mesmo a viral que pode, e vai, evoluir pra bacteriana. Gripe forte é viral. Antibiótico ainda não, ainda bem. Então tá, fazzzer o quê? é o sono esses zzz. Dá muita dó e muito sono. Mas eu velo por você meu bem, meus. Fecho os olhos porque são teimosos a essa hora da madrugada, mas respiradas mais fortes abrem eles só com o vento. Durmam anjos, mamãe tá de guarda. O anjinho também.

11/08/2008

hino nacional


Medalha é medalha. Dois bronzes e um 13 lugar até agora. Tá bom ué, afinal de contas que incentivo se têm, ou se dá para o esporte sem ser nessas épocas?

Lá em casa Olimpíada é solene, só perde pra Copa do Mundo. César assiste aos jogos de pé, torcendo. Comenta, vive os passos, os saltos. O Brasil vai bem.. mal, a gente sabe, mas há de quem fale isso perto dele. Não pode. Nosso papel é torcer e admirar cada feito. Só o fato de terem ido já merece respeito, e eu admiro o César por isso.

Ele foi atleta. Campeão Sul Americano dos 100 m rasos em corrida. Um corisco. Corria no interior de São Paulo até chegar na capital e depois na Venezuela, onde colocou pela primeira vez uma sapatilha no pé, e voou. Medalha de ouro e recorde Sul Americano. 10 segundos cravados pra deixar o treinador dele com cara de chulé, porque o tal do Primo, só apostava no japonês que corria como primeiro atleta.

Depois disso só medalhas e medalhas, até o brilhante convite para ser o quarto homem do revezamento 4 X 100 nas Olimpíadas de Montreal. Não ele não foi. A vida reservou outras medalhas, um caminho diferente e sem arrependimento. Só, que eu sei que se o César estivesse naquela raia, ele tinha feito suas rápidas passadas com respeito e concentração. Bonito, leve e dedicado como tudo o que ele fez e faz depois de todo o seu talento ter migrado pra outro lado. Eu sei que ele voltaria com uma medalha no pescoço.

Gordo, te ver assistir as Olimpíadas, esperar a abertura dos jogos, cantar o hino, defender os atletas, amar nosso país por mais chinfrin que a gente seja, ensinar nossos filhos a disciplina do esporte, e perceber nos teus olhos o brilho de quem já sentiu o que é representar sua pátria e seus valores, me dão tanta alegria... Sou melhor assim e te agradeço.

Meu eterno campeão!

08/08/2008

terra molhada

Chove chuva, chove sem parar. Aiiii que delícia.

06/08/2008

a casa que eu morei

Foi naquela casa que muita coisa aconteceu. Boas coisas. Ótimas coisas. Foi lá que brinquei durante toda minha infância. Brinquei feliz ao lado do meu irmão, depois da minha irmã, do nosso ingênuo vira-lata que viveu até 18 anos e morreu lá em frente. Dos nossos gatos que ficavam mais pelos telhados. É de lá as lembranças da boa vizinhança, mesmo que isso fosse um pouco de fofoquices, e daí? Foi naquela casa que viveram vovô e vovó, junto da gente. A casa que foi construída pelas mãos da nossa própria família, com erros de engenharia, e daí? A casa 8, com árvore no portão na rua entre duas pracinhas. A árvore que a gente plantou e viu crescer. A casa 8 lá no Tatuapé, e daí? Em frente à rua da igreja e de fundos com o Vasquinho. A casa que ouviu o piano da mamãe, o dedilhar do violão do papai e tantos ensaios e encontros, musicados ou não. É a minha casa de todo o tempo, onde eu vivi até formar um novo canto. O lugar bagunçado, descabelado, cheio de reformas pra acomodar nosso crescimento, marcado mês a mês à lápis sob a barra verde. Dos armários da cozinha feitos na parede. A cozinha dos bolos de coco, dos toddys com aveia, das gargalhadas, de tantos almoços. Os dois quartos com o corredor no meio, do alçapão e do porão, do terraço e dos caquinhos vermelhos. Do olho mágico tampado com moeda e que trazia o vento de fora, o vento bom.

Hoje, dia 06 de agosto de 2008 ela deixa de ser nossa, vai pra outras mãos que a querem, e a gente segue. Passando daqui pra diante só pela sua frente sem poder entrar ou correr pelo quintal, o quintal que teve o xadrez de portão, até ele virar de vidro. Que acomodou em sua garagem um monte de fuscas azuis. Que teve tanto de nós e de tudo.

Então vai minha casa de infância... passa pra novas mãos e faça seus novos donos felizes como nós fomos. Proteja-os como você nos protegeu, de qualquer infortúnio ou ameaça. Leve pra eles a nossa união que tanto você abrigou.

Serás eterna. Teremos a boa saudade.

01/08/2008

eu sou livre!!!!




Correr de braços abertos, gritar bem alto em cima do sofá estendendo os braços pra o lado, pra cima. Pular e chacoalhar os cabelos. Ouvindo uma música bem alta. A que você gosta muito. Bem alto. Eu ensinei meus filhos a fazerem isso tudo, e ainda por cima gritarem: eu sou livre!!!

É uma sensação tão boa.

Melhor é ver eles replicando isso sozinhos, sem a gente pedir. Ontem eles se matavam de dar risada um com outro, com os braços abertos gritando alto, eu sou livre!! eu sou livre mamãe!

Vixe, libertaram minha alma junto.

guardadinho

eu sou

Minha foto
Gosto de boniteza, de arrumação, da moda dos anos 30. De margaridas e pérolas verdadeiras. Gosto da noite, de gente dando risada, do sabor colorido de um prato de feijoada. Gosto de sair e de mudar, gosto de família, de amigos e com eles estar. Gosto de dança e de criança, e gosto muito, muito do mar.