31/03/2008

feira do livro

Sábado teve uma manhã especial, foi dia de feira do livro no Discere. Levar os picutas pra escolherem livros, lerem juntos e nós juntos deles. Conviverem com a leitura em grupo, com os amigos, com os mais velhos e com os mais novos, foi bom demais.

Fiquei em meio aos tantos livros que na escola ganharam um apreço diferente do que na livraria, pelo menos naquele contexto, vendo meus filhotes amarem as histórias, preocupados em viajar pra todos os lugares que eles viveram nas páginas. Amigos das linhas. Foi tão bacana!

O hábito da leitura é natural e a gente deve ter cuidado para não tirá-lo da frente ao longo da vida. Toda criança adora livros, é incontestável. Cheguei determinada a aproveitar o que aprendi por ali, ganhei motivação pra tirar da minha cabeceira 3 leituras que havia começado ha um tempo e ainda enrolava toda a noite. Li domingo quase o dia todo, só parei pra brincar com eles, e eles quando me viam com o livro iam pegar os deles e assim passamos a tarde como anjos. Quietos e felizes, em companhia de muitas histórias e registros imortais.

escolha certa

Pra que ter dúvida ou fingir que não entendeu. Escolha pela verdade, assuma que não foi bom, que poderia ter dado uma reposta melhor, que foi um pastel de vento, que apareceram na hora que você não queria. Que tinha outra possibilidade mas teve preguiça, que virou na rua travada por causa de um único carro, que falou merda, que berrou o nome da música de outro cantor e por aí vai. Só por reconhecer, a escolha de errada passa a certa, e o dia seguinte amanhece claro e cheio de fatos impossíveis pro dia anterior.

Seja fraco com a sua força. Deixe ela vencer.
Eu garanto.

27/03/2008

prescrição médica



Cheirar filho é melhor que qualquer remédio. Acalma, renova, anima e alegra. Ah, cheiro de filho não tem igual, é tão bom! Eu cheiro meus filhotes desde que eles nasceram e não tem erro, eu revivo depois. Cheiro a orelhinha, os pézinhos, bem o alto da cabeça, nariz com nariz é ótimo. Cheiro do olhar é matador. Tomei dose tripla essa noite, tô dopada deles. Vou dormir como um anjo. Filhotes da minha vida, a mamãe agradece o receituário.

doce de mal bocados

Faz tempo que eu não passo por aqui, e hoje mesmo com saudade, faço uma visita rápida porque carreguei um dia esquisito. Sem ser ruim ele não foi bom, mas bom foi quando aproveitei e enxerguei a tempo que poderia começar a ser. E pelo sim pelo não abro a porta branca. Espero que outros a abram também, porque se todo mal fosse o que o dia de hoje trouxe, que bom seriam os mal bocados.

12/03/2008

reencontros

Ela saltou da pequena mesa em que se encontrava lendo um clássico que esquecera, quando ali dentro, amassado mas ainda colorido, reencontrou aquele bilhete. De verdade tinha saudade do que estava escrito ali, virava e mexia ela lembrava fechando os olhos naqueles dizeres de letras desenhadas uma de cada cor. Imaginava que tudo havia ido embora pra não sei onde, e sonhava. Mas agora.. nossa! voltara a sua mão o que lhe fizera tão bem, tão feminina, tão capaz. Abriu trêmula e sorriu já na primeira linha. Incrível como depois de tantos anos o efeito foi o mesmo. Era o que estava faltando, que bom, com certeza era o que estava faltando. Leu tudo por mais muitas vezes, e fez questão de perder novamente seu destino. Lançou o bilhete alegre pela janela e voltou para o seu livro como uma brisa no verão. Pra sempre, o futuro haveria de lhe trazer a mesma esperança.

08/03/2008

passa anel

Aqui em casa agora estamos na fase das brincadeiras da minha infância, que passaram pra mim pela minha mãe, e provavelmente também eram da minha avó. As brincadeiras eternas. As verdadeiras.

É só eu chegar da agência para que Bia, Pedro e Julia corram pegar os saquinhos de areia pra gente brincar de jogar pro alto e pegar com a outra mão. Escravos de jó também está na lista das mais pedidas e assim segue com, Barra manteiga (imaginem correr dentro do apartamento..) Beijo, abraço aperto de mão, Bom dia minha senhoria, Quente e frio, Deu pango surupango, Trava línguas e muito mais.

Também trouxe de lá da minha infância para os meus pequenos, os poemas que mamãe recitava e pedia pra eu decorar e recitar com ela depois. Gostava tanto disso que repito agora.
Nesse bloco temos: Na cozinha o tio João, Cetim o gatinho, Pequenina do papai, Lá em cima do piano, Plutão, Dolin Dolê...

é gostoso demais.

Pra ilustrar então essa passagem dos anéis, deixo aqui um poeminha que eles adoram e já decoraram..tão lindos, e que de tanta ingenuidade, até dá vontade de terminar o texto e ir pra rua brincar. Como nos velhos tempos.
Aproveitem!

Cetim, o gatinho

Eu tenho um gatinho
chamado Cetim
Alegre, mansinho
Que gosta de mim

Vai cedo pra cama
vai ele, miau!
e tanto me chama
que até fica mal

Inventa brinquedos
e pula no chão
Eu fico com medo
Não tenho razão?

Cetim é bonzinho
ferir-me não vai
Se eu fosse um ratinho
então, ai, ai, ai

Tem quatro patinhas
Com unhas assim
curvadas, fininhas
são garras, enfim

Cetim não merece castigo
isso não
Cetim me obedece
de bom coração.

03/03/2008

montreux

Veio a lua pela noite e me deixou ver que eu ainda te amo tanto... que por você estar longe são tão vagos os meus passos, e que os teus faltam por aqui. Vi no claro brilho que tua risada me conforta e até pude enxergar teus olhos sorrindo.
No meio da pena saudade, surgiu a alegria de perceber que o tempo amadurece mas não cala, que acalma mas não esconde, e basta reviver um pouco pra tudo lembrar.
Quanto demora você voltar? Vem logo. Vem daí, do lugar belo em que te encontras pra caminhar aqui comigo. Espero então esses dias, e quando a lua começar a ir, mansa e nova, estarei lá a tua espera.

eu sou

Minha foto
Gosto de boniteza, de arrumação, da moda dos anos 30. De margaridas e pérolas verdadeiras. Gosto da noite, de gente dando risada, do sabor colorido de um prato de feijoada. Gosto de sair e de mudar, gosto de família, de amigos e com eles estar. Gosto de dança e de criança, e gosto muito, muito do mar.