31/10/2007

clarividência

Aquele tempo de andarem descompassados passara. De um modo simples que se explicava sem palavras o encontro se refez. Valia apenas o sorriso por perto das mesmas faces que há pouco eram escuras. Com a ajuda do vento, que soprava a favor já fazia um tempo, o barco teimoso entregou-se e rumou pro caminho certo, e só assim foi que seguiu. E nessa hora o beijo na mão tornou a ser dado, o abraço retornou aconchegante, o que era tudo igual virou diferente num igual de antes. Que desafiadora a vida que a cercara num teste cego, e que melhor desafio voltar a ver. Clara a fase da resistência, agradeceram a briga por conseguirem manter-se. E agora que ótimo, quão maior o que voltou. Éra preciso mesmo acabar pra começar. Tudo foi e nem deixou saudade. Ficou apenas o mesmo, o certo, o óbvio. As boas escolhas. O único amor.

transformação

Vai borboleta, segue o teu caminho, pula pra outra flor. Tu és bela mas aflita, curiosa, precisa seguir eu sei. Vai que eu entendo. Vai então. Vai borboleta, teu destino é voar.

30/10/2007

o troco

Corre um boato pelos quarteirões que Veridiana vai se casar. Será? Justo ela tão magrela arrumou alguém? E eu aqui, tão bela, continuo na espera... Não seria possível essa diferença.. Veridiana não liga, nem nunca foi nas cantigas, não sai atrás de ninguém. Eu sim me preparo, até enxoval no armário já fiz com bordado e tudo. E agora esse boato vem me tirar o sossego, me trazer um tamanho medo e despertar um segredo. Segredo de que o medo não é de ficar solteira, mas de Veridiana ser a primeira, será uma tragédia. Eu quero casar é certo, mas ela primeiro não pode. Eu serei a comédia.De qualquer jeito ainda é boato, e eu torço pra que se desmanche, essas vozes, esse transe. No fundo, no fundo, nem quero casar direito, prefiro uma bala no peito ao ver Veridiana no jeito. E ela? será que o quer, ou apenas disputa comigo? Tenho certeza que sim, o boato veio de amigos e eles me dizem assim. Então já sei! dou o troco com a mesma história.. solto um boato também, invento o nome do noivo, faço tamanho desdém. Assim ela muda o desejo, perturba as tolas vizinhas e seguimos as duas sozinhas na espera do mesmo alguém.

28/10/2007

feliz da vida!

Hoje é dia 28 de outubro, Dia de São Judas Tadeu, o santo da igreja atrás da casa da minha mãe que eu conheci e vivi na minha infância. Devo confessar que nem sou tão devota de São Judas, sou mais assim com Santo Antonio, Frei Antonio e minha sempre Nossa Senhora, mas São Judas é tipo parente, o santo de casa, da comunidade que a gente sempre frequentou... e nesse dia que é dele, quero aproveitar pra agradecer esse maravilhoso final de semana. Aconteceram coisas lindas, mágicas, segredos de família de comover a alma. Um sábado especial de brilho nos olhos da minha mãe que ganhou um presente merecido, dela mesma, e a gente testemunhou a luta e a conquista, e se não bastasse, um domingo daqueles apertados, gostosos, de festa de amigos, filhos no colo, beijos apaixonados de marido carinhoso e decisões importantes. E é assim que a gente fica grande, se sente forte, enorme, divina. Que entende que não precisa de mais nada, que tá tudo bem, que a família é tudo que a gente tem que agradecer e que os amigos são queridos. Ah São Judas eu tô tão feliz, entrei num fase tão legal, tô tão madura, mãe e esposa. Filha como sempre. Queria dividir isso com você e com todo mundo que eu amo. Obrigada então e parabéns.

22/10/2007

desterro

Intolerante o tempo perdeu a carne, ficaram apenas os verbos e as demais escritas. É lembrado o minuto, a aurora descendo para um longo e rigoroso inverno que ainda dura. Fora tão rápido. Em meio aquela multidão aflita pela água cristalina voaram as rimas. Ironia ou destino um lugar cercado de água sem tê-la para beber? Era preciso a corredeira pelas pontes porque abastecer a casa significava viver mais. Só que tudo valia uma troca, e água por um belo par de olhos claros valia a pena. Ela foi e ele nem soube. Ficaram pelo espaço vazio trocando selos, um pelo outro e outros por quem? não souberam mais e não sabiam de nada. Passaram-se anos, muitos invernos, fartura existiu, mas o que se perdeu, não voltou. Deixaram as memórias descobertas por novos, por quem jamais imaginou que um dia barganhou-se o óbvio, e ainda por quem nem sequer soube do lugar. Nunca ocuparam esses espaços, mas a descoberta deles fez com que tudo existisse até agora, que tivesse o motivo. Que valesse o tempo que não conhece as horas. Até hoje e até um dia.

21/10/2007

leve

Voa pluma e leva o desejo de conhecer o outro lado do rio. Sem rumo, sem regras . Só não caia antes do tempo, seja forte, chame o vento. Depois disso desça e descanse. Pare livre e espere. Virá certamente outro desejo a lhe soprar pra mais longe. Então solte-se de novo, vai voar muito ainda. Voa até onde quiser.

18/10/2007

gloss

Essa semana, pra quem quiser ver, na CARAS (é.. aquela revista de famosos) tá lá a Pri. No meio, foto grande, do lado das amigas Cicarelli e Beth Lago. Nome estampado na página, e ela sorridente no meio. Priscila Bernardi.

A Pri, meu bicho, é hoje minha sócia. Tá linda como sempre e tem realizado alguns desejos na vida.

Ela sempre quis ser reconhecida, famosa, vista nas revistas, nas páginas dos jornais.. como é obstinada, demora um pouco mas ela vai, essa semana foram três aparições distintas na midia.

Eu adorei ver ela lá, rimos juntas vendo que se tornou amiga da Beth Lago depois de um click. Tive que falar mil vezes que ela tá o máximo na foto, porque ficou com medo de não estar. O melhor da Pri é isso, ela vibra, se emociona, sente que conquistou as coisas, chega a ser ingênuo esse desejo.

Verdade, ela gosta de glamour, e fica feliz assim. E ela realmente está bonita na foto, mas o que eu quero que ela saiba é que a beleza dela extrapola as fotos, é uma beleza que só quem convive dia-a-dia sabe e entende, e se ela quiser, pode deixar a "fama" de lado que sua vida vai continuar sendo genial.

De qualquer forma, como o mais importante na vida é brilhar, então que todos brilhem, aos seus jeitos e aos seus modos.

Brilha Pri. Brilha, estrelinha do céu da eii!

15/10/2007

paulo

Depois de ficarmos um pouco mais sós por aqui, nessa dimensão, deixo minha homenagem pelos poemas que ele recitava como ninguém recitaria e recitará. Um homem que no auge de sua maturidade reconhecia que ser criança é melhor, e portanto, nos dá uma grande saudade.

À Paulo Autran, se me permitem, um menino deus.

Meus Oito Anos
Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias
Do despontar da existência!
— Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é — lago sereno,
O céu — um manto azulado,
O mundo — um sonho dourado,
A vida — um hino d'amor!

Que aurora, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar!
O céu bordado d'estrelas,
A terra de aromas cheia
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar!

Oh! dias da minha infância!
Oh! meu céu de primavera!
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã!
Em vez das mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã!

Livre filho das montanhas,
Eu ia bem satisfeito,
Da camisa aberta o peito,
— Pés descalços, braços nus —
Correndo pelas campinas
A roda das cachoeiras,
Atrás das asas ligeiras
Das borboletas azuis!

Naqueles tempos ditosos
Ia colher as pitangas,
Trepava a tirar as mangas,
Brincava à beira do mar;
Rezava às Ave-Marias,
Achava o céu sempre lindo.
Adormecia sorrindo
E despertava a cantar!

................................

Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
— Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
A sombra das bananeiras
Debaixo dos laranjais!

Autor: Casimiro de Abreu

04/10/2007

tri frases

"mamãe eu quero comer piolho de pão" (Pedro Galloro)

"olha mamãe quantas histórias eu sei contar: uma duas três quatro cinco seis sete oito nove e dez. Tá vendo? cinco histórias." (Bia Galloro)

"eu quero brincar de Ariel e por isso eu preciso virar sereia" (Julia Galloro)

"mamãe, a vovó é tua mãe? Que loucura!" (Bia Galloro)

"eu queria mudar para a casa nova ontem para brincar com os brinquedos novos mais rápido." (Pedro Galloro)

"Bia, vou esperar o papai chegar assim deitada e de olhos fechados porque ele vem beijar a princesa, se eu dormir você me acorda?" (Julia Galloro)

eu sou

Minha foto
Gosto de boniteza, de arrumação, da moda dos anos 30. De margaridas e pérolas verdadeiras. Gosto da noite, de gente dando risada, do sabor colorido de um prato de feijoada. Gosto de sair e de mudar, gosto de família, de amigos e com eles estar. Gosto de dança e de criança, e gosto muito, muito do mar.