29/03/2010

escreverei

Vou viver de escrever.
Textos, poemas, amizades, verdades e algumas boas mentiras.

Escrever pra ler, pra amassar. Quero viver assim, escrevendo e vendo a vida pelas linhas, ver que me vêem também da mesma maneira ou de formas imaginativas, interpretadas a cada modo, e eu ali exposta sem receio. Dedicada a ofertar frases, muitas, tristes, infantis, hilárias, quaisquer.

Vou viver de escrever.
Comer letras, encher-me de contos. Vou roer os dentes quando falta o dicionário, vou procurar sinônimos, antônimos, confissões.
Quero publicá-las, sentar na janela e abrir a caixa. Ter prazer. Ter tempo. Ter o futuro e o passado. Ser presente.

Vou viver, e escrever. Tá resolvido.

intensi viva mente

Mergulha, decola, derrama o leite. Corre conta o vento, grita, pula pra alcançar o último galho. Vira, arrasta, agarra nas pernas, chora o pranto e o desencanto, aumenta o som. Sai de saia, vira as costas, dá de ombros, ri até as lágrimas. Esbarra e empurra, puxa mais forte, gira e gira até a tontura, troca de roupa, cem vezes. Anda descalça, no asfalto quente. Mostra os dentes. Não deixa pra lá, volta pra ver, morre de sede, bate no peito, dá algum jeito. Entra de lado, rasteja, vira a mesa, a toalha arranca, abre as trancas, solta as tranças e vai. Vai andando, pra frente, não olha nem que chamem, segue. Se olha pára, e espalha tudo. Dança e balança em todos os ritmos, fecha os olhos no meio da rua, faz nudismo. Pede perdão, dá a mão. Fica na moita, açoita, mas dá tua palavra. Sempre, vigente, tua palavra solene e fica nela. Aí sim, estás pronta pra não entender, ou pra saber que não se entende se não se vive, intensamente.

18/03/2010

do singelices


EU E MEUS VELHINHOS (Ana Paula Marques)

Já disse aqui que gostava muito do sr Mindlin.
Hoje li sem querer uma homenagem feita para ele depois de sua morte. Adorei essa parte:

"Nunca se dedicou exclusivamente a nada, sendo exemplar em tudo o que fez. Seu caminho foi traçado pelo acaso e construído por ele mesmo, sempre impulsionado pelo mais poderoso de todos os elixires da juventude: a alegria."


E eu AMO!!!!!!!!!! AMO!!!!!!!!!! AMO!!!!!!!!!!!!!!!!

16/03/2010

equilibristas

Tirar daqui, cobrir ali, mexer do outro lado, puxar, esticar, cobrir um santo, descobrir outro. Dias assim, equilibrando fatos, gastos, pontos, encontros e desencontros. Chato isso, mas a verdade é que se vai aprendendo, e se vai. Dias sim, dias não, dias assim, de novo. Liga, pede, implora, atende. Volta, devolve, defende. Pergunta, responde, finge que saiu, finge que chegou, ri, chora, fazer o que. O que tem pra fazer? hoje, só hoje, sem pensar em depois. E incrivelmente chega a noite e outro dia começa com duas varetas numa mão e quinhentos pratos na outra. Mãos a obra, meu bom.

15/03/2010

Camila


A Camila nasceu dia 12, de peixes, carinha redonda e na paz.

A pequena Tomaz de Aquino dos Anjos, tem nome de santo e de graças, e veio até a gente pra fazer uma galera que andava meio quietinha cair na gargalhada. Alegria de nascimento, de bebezinho novo no pedaço, de cheiro do leite materno, de cara de pai abobalhado de tanto amor.

A gente tá feliz que só.

Camila minha doce pequena, venha com tudo pra esse mundão, ajude a gente a ser melhor, mais alegre e mais amoroso. Seja muito feliz nesta estrada, e corra por ela, sem medo, com prudência.

Me aguarde aí, na Páscoa vou te dar uma mordidinha bem na ponta do nariz.

11/03/2010

passando a rebentação

A gente percebe que as fases ruins vão passar quando sinais aparecem.
Hoje um gesto tão simples me fez reviver quem eu gosto de ser.

Há um ano e meio eu caí, quebrei a perna feio, fiquei mal. Pouca gente soube, até porque a minha tolerância a dor sempre foi grande, mas a verdade é que doía muito. A noite, dormir era uma luta, a perna latejava e eu sentia a placa de aço lá dentro conversando comigo, dizendo pensa, pensa na dor. De manhã, ela inchava e a dor era constante pelo dia todo, sem parar um minutinho. Juro que os incômodos das muletas, de descer escadas, do banho, do medo de escorregar, de escorregar mesmo com medo, e até de não poder pegar meus filhos no colo foi o de menos nessa história. A dor era a protagonista.

Ainda ela é, mas dói muito menos agora, só que ainda dói quando tento correr, andar rápido, usar meus saltos (mas eu uso) quando o tempo esfria, e sobretudo quando quero dançar. Não consigo mais dançar igual antes, um dos meus maiores prazeres, e essa constatação dói mais que a própria dor.

Mas fiz essa declaração aqui porque tá na hora do perdão.

Foi a partir dessa dor que tudo começou a me provocar, que outras dores eu tenho tido que enfrentar, que me fazem perguntar todos os dias coisas do tipo porque assim? porque ela? porque ele?, e depois mais cedo ou tarde do que eu gostaria, infalivelmente chegam as respostas.

Eu fiz escolhas na vida, ganhei amigos, perdi também. Fui fiel no trabalho, na carreira, nas histórias. Fui distraída, imatura, mas nunca fui cruel. Aprendi com meus pais que é melhor ser só a gente mesmo. Tá de bom tamanho querer apenas a vida que nos foi presenteada, e eu sou uma sortuda. Mas aprendi também que a dor não quer saber de sorte, dor vem pra te mostrar que é preciso sentir na pele, que quebras são necessárias, rupturas são preciso. É também uma fase da tua vida, então comece aceitando e agradecendo.

Eu tenho me perdoado, e perdoado quem não me perdoa. E eu gosto da palavra perdão. E eu tenho coragem de dizer isso. E as fases passam, as boas e as ruins, que demoram mais, mas ambas passam.

A minha fase ruim tá passando, muito já se foi, ufa!. Mesmo ainda com tapas na cara, com um bocado de tristeza. Mesmo com amigos me virando as costas, outros só assistindo de binóculo, mas sobretudo com na verdade os únicos, e melhores, tão poucos, bem perto.

Tati, mãe da pequena Maria Flor, Abreu - quero dizer que receber seu comentário hoje num post meu foi de uma importância que você nem desconfia. Ver que depois de tanto tempo, de tão longe, você entendeu cada letra do que eu quis dizer em duas linhas, é o meu sinal.

Então, hoje, que realmente acredito que menos é mais, por nós duas, e todo mundo que acredita, quero dizer que ganhei o dia, que tá tudo certo, e que esqueci a dor.

09/03/2010

menos é mais

Alegria boa, com gosto de novidade, surpresa, peraltice.
Prefiro assim e troco a figurinha difícil por dez iguais a essa, comum.

08/03/2010

té eu gosto

É bobagem eu sei, apesar de ter um motivo histórico bem interessante. Mas hoje eu me sinto bem mulherzinha mesmo, de vestido florido e tudo, a fim de ser mais é sustentada em todos os sentidos.

Adoro carinho. Feliz Dia Internacional da Mulher.

07/03/2010

na casa da mama


Enquanto fico fuçando na internet,aproveitando o sinal aqui na casa da mama que é ótimo, estão os dois aqui do meu lado, num papo só. Seu Pedro e Dona Ivani parece que nunca se veem de tanto que tem o que conversar um com o outro. Eu bem aqui do lado engulo a risada dos papos. A última é que meu pai quer adiantar dois anos as Bodas de Ouro, afinal em 2011 fará 50 anos que eles se conhecem. mas não 50 anos que se casaram corrige a mama, mas meu pai que até no tempo quer mandar diz que isso não tem a menor importância, que ninguém lembra quando eles casaram... ahahah, e minha mãe diz que não pode e pronto. Aí o assunto vai pra empresa que eles vão fazer vistoria amanhã, segundona no trabalho. Dona Ivani solta um ai Deus não sei por onde vou começar a vistoria daquela empresa, tem um monte de escada, e Seu Pedro retruca,começa do começo, lá de cima. Seria fácil se vc não tivesse junto né? vai subir lá como? ué mas não vamos ter que subir uma hora? han, quero ver só como tenho que te segurar com aqueles aparelhos na mão. Não precisa me segurar coisa nenhuma, bobear ainda eu que vou ter que te carregar. E ela solta um ah, tá bom! gostando no fundo que ele ainda é o marido que cuida dela, mesmo sendo tudo ao contrário.
Ponto pro meu domingo. Isso é o que vale. Amo!

04/03/2010

quem espera sempre alcança


Esperar é assim, ha de se ter paciência pra espera. Esperar pra esperar. E esperar não tem jeito, tem que ficar quietinho, em silêncio, mas não parado. Sentado até dá. A fase da espera? é sempre, a gente que acha que ha momentos pra ela, porque veja só, a gente vive esperando. Espera-se o dia amanhecer, anoitecer, o metrô vazio, uma voz amiga, ou um amor. Espera-se respostas, retornos. Esperamos pessoas educadas, calmas, esperamos a saída da escola, no trânsito. Esperamos dar certo. Esperamos na linha o alô, esperamos on line com reloginhos que fazem os outros nos esperarem. Esperamos.
E como ha de se esperar mesmo, vale pensar que a espera é mesmo boa, pois a verdade é simples, se espera nove meses pra nascer ou pra receber quem nasceu. A melhor espera de todas. Então eu to aqui, esperando a minha vez.

01/03/2010

Marcia

Uns 80 Kg, pernambucana, bem humorada e genuinamente sábia. Essa é a Marcia, a manicure lá do GranVi. Bater papo com manicure é sempre um aprendizado. Elas te contam causos interessantísimos, impossíveis de terem um desfecho lógico, surpreendentes. Já ouvi, vi e li muitos assim, de manicures especiais. Mas a Márcia ainda é diferente, porque no fundo, no fundo, ela não conta nada, ela só finaliza com frases simples uma história de alguém ou até dela mesma, de um jeito que te acalma, e que esclarece tudo. Da boca da Márcia, a cada minuto sai um Se apegue com Jesus , é mas ela não é nada carola, contrário, é danada que só. Mas tem fé. Dá pra sacar que acredita. Você fala que precisa mudar, mexer, virar, revirar, trazer, fazer, e ela diz: na espera estão as respostas. Você fala em medo, receio, raiva, bronca, trânsito, e ela conclui: se não há o que fazer, faça disso o melhor que puder. E assim vamos os dez dedos. Uma terapia de R$ 12,00 de 2a a quarta e R$ 18,00 de quinta a sábado.

guardadinho

eu sou

Minha foto
Gosto de boniteza, de arrumação, da moda dos anos 30. De margaridas e pérolas verdadeiras. Gosto da noite, de gente dando risada, do sabor colorido de um prato de feijoada. Gosto de sair e de mudar, gosto de família, de amigos e com eles estar. Gosto de dança e de criança, e gosto muito, muito do mar.